sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Sobre o que eu não tenho

Lá tinha um pássaro que cantava no mínimo três notas por assobio
Era "Bonito pra desgraça".
E a gente vai vendo tanta coisa
Que os olhos vão virando nascentes...




As minhas mãos balançavam soltas
Senti falta de segurar sua mão
Enquanto a gente anda por lugar nenhum, sem pressa...
Dava vontade de te contar onde cresci, como se você
Fizesse questão de saber

Tinha muita coisa nova incrívelmente antiga
Valsas, frases, perfumes, costumes, amores...
E de novo as minhas mãos se balançaram soltas

E senti vontade de que você segurasse a minha mão
Não precisaria dizer nada
Nem precisaria parecer cena de filme.
Eu só queria te contar quem foram meus amigos de infância
como se fizesse questão de conhece-los

E como é bom acordar num lugar diferente
As montanhas que vão enfeitando o caminho
a música que só se ouve nessas estradas
E novamente minhas mãos caíam soltas pelo colo
Queria que desabassem sobre o seu colo
Desabassem como penas, mas sobre o seu colo
E eu te contaria que amo viajar como se você 
fizesse questão de saber do que eu gosto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentem, perguntem, elogiem, critiquem, mas sejam verdadeiros...