sábado, 11 de fevereiro de 2012

Curva

Depois de muito andar
tentando achar respostas,
eu continuava em linha reta,
olhando e seguindo
indo em busca de um horizonte
que a cada passo parecia se distanciar de mim.


Era aquele sorriso que me faltava,
um sorriso alheio que me fazia sorrir como um espelho,
às vezes eu corria, na insistência de me aproximar

Mas sempre se distanciava...
Não acontecia nada,
o sol constante, e urubus que voavam tão alto,
quanto minha vontade de encontra-lá.
Fora isso, nem uma curva,
pra me tirar do caminho,
pra me fazer mudar o foco...

Ei! Você, seja minha curva!

4 comentários:

  1. Quem vc quer que seja a tua curva?

    ResponderExcluir
  2. As coisas acontecem quando nos permitimos experimentá-las. As vezes, falta mudar o ponto de referência para aquilo que parece reto se torne curva...

    ResponderExcluir
  3. O linear sugere constância
    talvez por isso, monotonia
    A curva tem na importância
    da surpresa, novidade do dia

    O equilíbrio me atrai demais
    hora da segurança do abraço
    ou das novidades das Gerais
    nas curvas das montanhas de aço.

    Se curva ou reta, não me importa
    em todo caminho encontro os dois
    No que é esperado a surpresa suporta
    o bom de ter você depois.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elaine! Linda a poesia, explicou tudo, amo o jeito que vc escreve! BEIJO...

      Excluir

Comentem, perguntem, elogiem, critiquem, mas sejam verdadeiros...