quarta-feira, 20 de junho de 2012

Me importa

Fomos feitos um pru'outro,
mas nos encontramos em
situações desconfortáveis,
gerações trocadas...

Não é tão simples quanto
acender a luz,
coisas tem que nascer e morrer todo dia...

Seria simples
se as pessoas aceitassem o que temos à oferecer.
Não são migalhas!
É por que talvez você queira mais do que eu possa dar.

Eu sou responsável por minha felicidade
o carrosel da vida passa lento...
e às vezes não temos coragem de embarcar

Por mim você não saía da minha vida,
assumiria outro papel, não seria nem figurante, nem amante...
Virão cenas novas, novos encontros e desencontros...

Temos o agora,
Se eu tivesse a certeza de uma outra vida...
eu deixaria marcado um encontro ao acaso, numa livraria...
lá a gente se esbarraria...
e o resto só o tempo diria...
acreditar em destinos me desanima

domingo, 17 de junho de 2012

Antes

Tirar de mim algo que existe

Aparece quando me sufoco,

No Silêncio escuro

Claro, eu só percebo quando acontece

é sentir falta de ter as mãos cheias

Fechar os olhos

Olhar pra dentro

Respirar ar novo

 

cantarolar canções antigas

recordar o jeito de ler cartas amareladas

Ter nas mãos o passado,

e rasgá-lo

 

Lançar os pedaços ao vento,

assim me reinvento

substituo retratos

vou pra rua pra viver novas histórias

 

E ali eu aconteço, 

deixo olhares me invadirem

e sei que levam um pouco de mim

e deixam um pouco de sí próprias

 

quando vejo já não estou tão velho

tenho novas velhas histórias novas

já não me sufoco

uso minhas mãos vazias pra acenar do cais

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Violão e Nós

Como definir o "Violão e Nós"?

Uma experiência única, onde cada um deu o seu melhor, retirou o que há de mais puro da alma e colocou ali, para ser compartilhado, e todos "nós" fomos nos alimentando. Tudo começando com um violão, um violão de cordas velhas encostado no sofá... e amigos. Sim, pois onde existe amigos, existe sonho e realização. Os falsos amigos até sonham conosco, mas depois colocam nossos sonhos longe...
Os amigos Não! Esses dizem assim: - E então começamos a ensaiar quando? Como me disse Jon Pierre, me trasmitiu um enstusiasmo único e então guardei aquilo. Em seguida disse a Nino Nunes sobre o projeto, e ele disse calmamente e não menos entusiasmado, - Bora me velho, animo demais!
Precisavamos de Ritmo e de compasso, e não haveria pessoa melhor que Esdras Haendel. Queria também alguém pra trazer ainda mais energia, positividade e leveza, ninguém menos que Daniel Darezzo.

A turma ia crescendo e então minha sister topou participar, e ja foi logo dando suas idéias e me perguntando como seria. Pensei em Nádia Nunes, gosto do timbre, da risada da compania, e topou e deu o seu melhor.
Paula Ribélo trouxe a paz que meus ouvidos precisavam, e os arrepios tão bons quando ela canta "te Olhando dormir". Sempre tive vontade de cantar mais com ela, tivemos uma banda , "Flor de Laranjeira", tão perfeita que fizemos apenas um show, e assim quando convidei Clara Lopes ela logo me disse entre sorrisos: -Claro! E me emocionei com sua apresentação!





Tive também a participação de João Pedro (JP), empenhado em dar o seu melhor.




 E fechamos com chave de ouro, com o som inconfundível da Gaita de Marcelo Teixeira, um cara de um astral ótimo e uma musicalidade ímpar.

Juntamos isso tudo aos nossos queridos amigos e companheiros da produção, Diogo, cheio de iniciativa, prestativo e animado. Eduardo, mais sério (no início rsrrs) concentrado e super capacitado e literamente nos iluminou, nosso amigo Itamar nos emprestando instrumentos e dividindo conosco os momentos. Leonardo Silva meu braço direito sempre disponível, disposto e organizado. Isso tudo ia sendo registrado pelas lentes do incrível Felipe Assunção, o cara que eterniza momentos. Entre outros que posso ter me esquecido mas que de maneira nenhuma são menos importantes!

Tivemos um som maravilhoso feito por Toninho e Diel, e filmagem de Bruno Santos. Todos empenhados pra que o evento ficasse lindo!

Agradeço toda a atenção e paciência que recebi de Letícia e Pedro e toda equipe do teatro Sesi Holcim que abriram as portas do teatro e confiaram no meu trabalho.


Agradeço ao público que compareceu fielmente ao espetáculo e me acalentou com palmas.

De uma coisa tenha certeza, nós saímos de lá pessoas melhores, reforçamos os laços de amizade, alegramos nossos corações, ficamos anciosos, nos emocionamos, e demos muita risada rsrs! Isso não se compra...

Uma força criadora esteve conosco o tempo todo... Seria Deus olhando sob os óculos lá de cima?
Na verdade não sei, mas sei que eu estava rodeado de anjos de carne e osso, desses raros aqui na terra!

E foi assim o "Violão e Nós", agradeço a você que nos prestigiou,
espero que vocês tenham gostado!

Um grande abraço a todos
Ben-hur de Oliveira