domingo, 28 de setembro de 2014

Amanhã sendo

Ela foi embora e era noite
Foi sem estar perto
não vi seus passos sumindo na curva
foi
como quem já antes fora

Era noite e eu duvidei,
duvidei que na manhã seguinte
o sol nasceria

A noite foi calando-se
E eu vivi o momento mais sem luz
e quase em desespero
decidi fechar os olhos
e visitar a noite dentro de mim


Vi sem ver
luzes foram surgindo
como vagalumes no breu
e eu, já não sentia mais frio
eu já respirava,

Decidi manter meus olhos fechados
não existiria o dia
se não houvesse em mim alegria

Logo senti o calor dos raios de sol
tocando minha pele
secando minhas lágrimas
eu não precisei abrir os olhos
o escuro agora me acalmava
uma certeza agora eu tinha
era o sol dentro de mim que brilhava



sábado, 27 de setembro de 2014

Há briga

E tentando acertar eu abria meu coração
falava dos meus medos e dúvidas,
daquilo que eu ainda não era
mas que queria ser

Fiquei distante, senti-me moderno
por um instante,
pensei lhe agradar,
não fazendo tantos planos pro futuro,
mas torcendo pra ele chegar...

um tempo que pudesse existir
mais o "nós"...

errei tanto...
troquei pés pelas mãos
e hoje caminhar cause- me dor
e calos

Calo-me!
Já disse tudo a ela!
E depois a mim...

Sabe, eu não vi a rachadura
na parede de trás da casa,
perto da cangorra do pé de manga...
eu prestava atenção nas crianças correndo,
nos cães latindo!



Minha capacidade
não irá me permitir
entender tudo...
Então deixo o tempo passar...


Hoje ninguém mora lá!
E eu que antes tinha abrigo,
hoje brigo para me abrigar.


sábado, 20 de setembro de 2014

Vago

Tenho chorado,
um choro que só eu escuto.
o mundo se cala
e minha dor me acorda.
Os olhos perdidos no chão,
não buscam mais horizontes.
Sobrevivo.
Sinto cada batida do meu coração;
bate dentro do peito
como se quisesse sair,
sente o espaço do meu corpo, pequeno...
Deixo pra chorar à noite.
De dia coloco uma máscara,
um sorriso que combine com a camiseta...
Ah como meu mundo ficou pequeno!
Distraio-me ao som de uma viola caipira
Seu pontilhado faz cócegas no meu coração
Por um instante ele sorri...
Não traduzam “Saudade”...
Não definam esse sentimento!
Dar-lhe um nome já foi suficiente!
Recordar causa-me imensa tristeza,
pelo que podia ter sido e não foi,
pelo que se foi e não volta mais...
Choro, toda noite!
Um choro que só eu escuto.
Preciso secar meu olhos,
sem secar o coração.
Sei que um dia isso tudo irá passar
De uma forma ou de outra...
Vou indo como posso
um passo de cada vez,
Em sonhos eu te visito,
entro no seu quarto,
procuro sua cama,
dou-lhe um beijo de boa noite.
Aos que morrem isso é permitido!
Vagar...
Sim, vago...

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Alegricidade

Descobri que alegria e felicidade não tem o mesmo significado

E que tristeza, é uma toalha de mesa suja e rasgada!

Alegria é acordar de manhã e lembrar que é sábado!

                               Felicidade é acordar!

Alegria é bala de goma dentro do ônibus!

                               Felicidade é voltar pra casa!

Alegria é um silêncio de paz...
   
                               Felicidade é ouvir o vento...

Alegria é achar dinheiro no bolso da calça suja!

                               Felicidade é trabalhar com o que se ama!

Alegria é o último miojo do armário!
                             
                               Felicidade é matar a fome...

Alegria. Alegria é apanhar acerola no pé!

                               Felicidade é o vermelho-maduro!

Alegria é uma nota solta...

                               Felicidade é uma acorde maior com nona!

E com alegria faz-se uma mesa farta! Uma mesa de encher os olhos!
Os aromas! O brilho das taças cheio do melhor vinho que se tem! E o melhor vinho,
é o que se tem!

Tantos sabores estendidos, ao alcance das mãos, que só mesmo um ser amargo repararia
na toalha de mesa...

Sim eu sei o que é alegria!
                                                   E entendo o que é tristeza...
Mas a felicidade é tão simples, que mesmo tendo exemplificado, eu jamais saberia
explica-lá.