sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Cedo demais

Espero gestos
É em vão...
As mãos prendem,
passado...

Você não existe no meu instante,
não se recolhe em meu peito,
não quer que eu te proteja,
com minha fragilidade...

Aprendo a cada pequena desilusão,
é um copo de verdade que se enche,
a cada gota de sua ausência.
O copo já quase cheio, só me diz uma coisa:
- Não devo te esperar...

Quem espera sofre,
tenta mudar e reinterpretar
verdades cruas.
Fatos imóveis...

Queria que visse o que eu vi!
Você ia gostar!
Eu me alegrei por você!
A parte sua que ainda mora em mim!

Sei que é preciso seguir viagem
buscar novos destinos
O que me trouxe até aqui
de certo me levará a outros lugares
E que a mágoa se dilua como fumaça


Não sei até quando
E sei, que não será como desejo
mas aceito o que a vida me der, de bom grado!
E se até a vida passa...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentem, perguntem, elogiem, critiquem, mas sejam verdadeiros...